Os princípios do cooperativismo e os valores humanos - Gminas TV - Gminas TV

Os princípios do cooperativismo e os valores humanos

Talvez você ainda não tenha reparado, mas os princípios que regem o cooperativismo têm tudo a ver com alguns importantes valores humanos.

Baseados no estatuto da cooperativa de consumo de Rochdale (1844), os sete princípios do cooperativismo já foram revisitados em 1937, 1966 e 1995 (em congressos coordenados pela Aliança Cooperativa Internacional) para que se mantivessem aderentes à dinâmica social do momento.

Atualmente, as instituições cooperativas continuam funcionando baseadas nesses sete princípios – fundamentos de um modelo socioeconômico alternativo que visa os benefícios conjuntos em detrimento do ganho individual. Não é a tôa que os princípios do cooperativismo têm grande relação com valores humanos primordiais. Veja só:

1 – Adesão livre e voluntária – Liberdade e igualdade

“As cooperativas são organizações voluntárias, abertas a todas as pessoas aptas a utilizar os seus serviços e assumir as responsabilidades como membros, sem discriminação de sexo ou gênero, social, racial, política e religiosa.”

Isso significa que, em uma cooperativa, o acesso é livre a quem quiser cooperar (exceto nos casos de inaptidão nos termos da lei ou do estatuto social), sendo que a manifestação de adesão compete ao próprio interessado. Assim, são praticados os valores de liberdade e igualdade no negócio cooperativo.

2 – Gestão democrática – Democracia e responsabilidade

“As cooperativas são organizações democráticas, controladas pelos seus membros, que participam ativamente na formulação das suas políticas e na tomada de decisões. Os homens e as mulheres, eleitos como representantes dos demais membros, são responsáveis perante estes. Nas cooperativas de primeiro grau, os membros têm igual direito de voto (um membro, um voto); as cooperativas de grau superior são também organizadas de maneira democrática.”

Em uma cooperativa, não há usuários ou clientes, mas associados. Assim, todos têm o direito e o dever de votar e ser votados, participando ativamente da gestão da instituição, com responsabilidade e de forma democrática.

Nas cooperativas singulares, cada associado tem direito a um voto, todos com o mesmo peso, independente da condição financeira ou participação econômica. Nas centrais e confederações de cooperativas é permitido o voto múltiplo, mas baseado no número de associados (ou no número de cooperativas singulares) da base, mantendo a atuação responsável e democrática de todos.

3 – Participação econômica – Responsabilidade e transparência

“Os membros contribuem equitativamente para o capital das suas cooperativas e controlam-no democraticamente. Parte desse capital é, normalmente, propriedade comum da cooperativa. Os membros podem receber, habitualmente, havendo condições econômico financeiras para tanto, uma remuneração sobre o capital integralizado, como condição de sua adesão. Os membros destinam os excedentes a uma ou mais das seguintes finalidades: desenvolvimento da cooperativa, possibilitando a formação de reservas, em parte indivisíveis; retorno aos sócios na proporção de suas transações com as cooperativas e apoio a outras atividades que forem aprovadas pelos associados.”

Como donos da cooperativa, os associados têm a responsabilidade de operar com a instituição e de contribuir financeiramente com ela. Os recursos de todos são investidos nas operações e serviços da própria cooperativa, na formação de reservas e, além de gerar vantagens no dia a dia, caso haja sobras, elas retornam aos associados, proporcionalmente às operações realizadas no período e à remuneração de suas quotas-partes de capital. Tudo feito de forma democrática, responsável e com total transparência para todos os associados.

4 – Autonomia e independência – Autoconfiança e honestidade

“As cooperativas são organizações autônomas, de ajuda mútua, controladas pelos seus membros. Se firmarem acordos com outras organizações, incluindo instituições públicas, ou recorrerem a capital externo, devem fazê-lo em condições que assegurem o controle democrático pelos seus membros e mantenham a autonomia da cooperativa.”

O empreendimento cooperativo é autônomo e independente por excelência, o que exige autoconfiança de todos seus associados, afinal, a cooperativa é uma iniciativa concebida pelos esforços de seus membros (quadro social) e moldada pela autogestão, não sendo permitida a influência externa nem a ingerência política (o que não impede o livre exercício da regulamentação e supervisão por órgãos estatais).

Qualquer iniciativa ou negócio que envolva a participação de pessoas, entidades ou órgãos externos não pode afetar o controle democrático pelos próprios associados nem imputar-lhes prejuízo ou implicar privilégios aos administradores ou executivos das cooperativas. Portanto, a honestidade é outro ponto fundamental ao exercício cooperativo.

5 – Educação, formação e informação – Desenvolvimento e respeito

“As cooperativas promovem a educação e a formação dos seus membros, dos representantes eleitos e dos trabalhadores, de forma que estes possam contribuir, eficazmente, para o desenvolvimento das suas cooperativas. Informam o público em geral, particularmente os jovens e os líderes de opinião, sobre a natureza e as vantagens da cooperação.”

A sustentabilidade do modelo cooperativo e sua expansão entre os diferentes públicos requer a preparação dos atores internos e demais colaboradores e a conscientização do público em geral. Ou seja, o cooperativismo promove a educação, a formação e a informação como métodos basilares de desenvolvimento do modelo.

Incentiva-se ainda a educação, formação e informação de crianças e jovens sobre o modelo cooperativo, a fim de infundir-lhes valores humanitários intrinsecamente ligados aos princípios cooperativos, com respeito à toda a sociedade, afinal, quanto mais cooperativa for uma nação, mais justa e próspera ela deverá ser.

6 – Intercooperação – Solidariedade e empatia

“As cooperativas servem de forma mais eficaz aos seus membros e dão mais força ao movimento cooperativo, trabalhando em conjunto, através das estruturas locais, regionais, nacionais e internacionais.”

O princípio é autodescritivo, incentivando a integração e ajuda mútua entre os membros, entre as cooperativas de mesmo ramo e também entre cooperativas de diferentes setores, sempre em prol do benefício coletivo dos associados.

Para que ocorram essas integrações horizontais, verticais e até intersistêmicas, valores como a solidariedade e a empatia são elementares ao negócio cooperativo.

7 – Interesse pela comunidade – Responsabilidade socioambiental

“As cooperativas trabalham para o desenvolvimento sustentado das suas comunidades através de políticas aprovadas pelos membros.”

Por sua própria vocação socioeconômica, as cooperativas têm um compromisso com o desenvolvimento de suas comunidades. Isso significa que elas devem respeitar as peculiaridades sociais e a vocação econômica do local, desenvolvendo soluções de negócios e apoiando ações humanitárias e socioambientalmente sustentáveis. Assim, as cooperativas devem atuar com total responsabilidade socioambiental.

Cabe aos membros decidir que diretrizes as administrações devem seguir para cumprir essa importante orientação doutrinária.

Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei nº 9.610, de 19/02/1998. Nenhuma parte deste site, sem autorização prévia por escrito dos responsáveis, poderá ser reproduzida ou transmitida sejam quais forem os meios empregados: eletrônico, mecânicos, fotográficos, gravação ou quaisquer outros.